Arquidiocese de Natal celebra missa pela paz entre Rússia e Ucrânia



O Arcebispo de Natal, Dom Jaime Vieira Rocha, vai presidir missa, na próxima sexta-feira, 25, às 11 horas, na Catedral Metropolitana, em sintonia com o convite do Papa Francisco aos bispos de todo mundo e seus sacerdotes a se unirem a ele na oração pela paz e na consagração e entrega da Rússia e da Ucrânia ao Imaculado Coração de Maria. A missa será transmitida pelas páginas da Arquidiocese de Natal no Youtube e no Facebook e pela página da Paróquia da Catedral, no Facebook.


No Vaticano e em Fátima


O Papa Francisco pronunciará a oração na tarde de sexta-feira, 25, festa da Anunciação do Senhor, na Basílica de São Pedro, no Vaticano, durante a celebração da Penitência às 17h locais (13h horário de Brasília). A pedido do Papa, o mesmo ato, no mesmo dia, será realizado por todos os bispos do mundo. O cardeal Konrad Krajewski, esmoleiro pontifício, irá realizá-lo em Fátima (Portugal) como enviado do Papa.


Consagração ao Imaculado Coração de Maria


Na aparição de 13 de julho de 1917, em Fátima, Nossa Senhora havia pedido a consagração da Rússia a seu Imaculado Coração, afirmando que, se este pedido não fosse atendido, a Rússia espalharia “seus erros pelo mundo, promovendo guerras e perseguições à Igreja”. Os bons”, acrescentou, “serão martirizados, o Santo Padre sofrerá muito, várias nações serão destruídas”.


Após as aparições de Fátima houve vários atos de consagração ao Imaculado Coração de Maria: Pio XII consagrou o mundo inteiro em 31 de outubro de 1942 e em 7 de julho de 1952 consagrou especificamente a Rússia ao Imaculado Coração de Maria com a Carta Apostólica Sacro vergente anno, diante da difícil situação dos cristãos forçados a viver em um regime ateu.


O Papa Paulo VI, em 1964, e João Paulo II, em 1981, 1982 e 1984 renovaram esta consagração para toda a humanidade. Em 25 de março de 1984, na Praça de São Pedro, o Papa João Paulo II, referindo-se ao pedido de Nossa Senhora em Fátima, em união espiritual com todos os bispos do mundo, confiou ao Imaculado Coração de Maria todos os povos e “de maneira especial… aqueles homens e nações que necessitam, particularmente, desta entrega e desta consagração”.


Em junho de 2000, quando a Santa Sé revelou a terceira parte do segredo de Fátima, o então secretário da Congregação para a Doutrina da Fé, arcebispo Tarcisio Bertone, salientou que a Irmã Lúcia havia pessoalmente confirmado que o ato de consagração realizado por João Paulo II, em 1984, correspondia ao que Nossa Senhora havia pedido.


7 visualizações0 comentário