top of page

O Papa: guerras e crises geram um clima pesado, rezemos com insistência

Publicamos o prefácio de Francisco ao livro "Orar hoje. Um desafio a ser superado", publicado pela LEV e assinado pelo cardeal Angelo Comastri, o primeiro volume de uma série de pequenos textos que serão publicados no Ano da Oração convocado pelo Pontífice em preparação ao Jubileu. O texto foi publicado esta terça-feira, 23 de janeiro, na íntegra pelo jornal Avvenire, diário da Conferência Episcopal Italiana (CEI)


O Papa Francisco em oração (Vatican Media)


A oração é a respiração da fé, é sua expressão mais adequada. Como um grito silencioso que sai do coração daqueles que acreditam e se entregam a Deus. Não é fácil encontrar palavras para expressar esse mistério. Quantas definições de oração podemos encontrar nos santos e mestres da espiritualidade, bem como nas reflexões dos teólogos! No entanto, ela só pode ser descrita na simplicidade de quem a vive. O Senhor, por outro lado, advertiu-nos de que, quando oramos, não devemos desperdiçar palavras, iludindo-nos com a ideia de que seremos ouvidos. Ele nos ensinou a preferir o silêncio e a nos confiarmos ao Pai, que sabe do que precisamos antes mesmo de pedirmos a Ele (cf. Mt 6,7-8).


 

O Jubileu Ordinário de 2025 está se aproximando. Como podemos nos preparar para esse evento, tão importante para a vida da Igreja, se não for por meio da oração? O ano de 2023 foi dedicado à redescoberta dos ensinamentos conciliares, contidos principalmente nas quatro Constituições do Vaticano II. É uma maneira de manter viva a consignação que os padres reunidos no Concílio quiseram colocar em nossas mãos, para que, por meio de sua implementação, a Igreja pudesse rejuvenescer seu rosto e proclamar a beleza da fé aos homens e mulheres de nosso tempo em uma linguagem adequada. Agora é o momento de nos prepararmos para o ano de 2024, que será inteiramente dedicado à oração. De fato, em nosso tempo, sente-se cada vez mais a necessidade de uma verdadeira espiritualidade, capaz de responder às grandes interpelações que surgem todos os dias em nossa vida, provocadas também por um cenário mundial que certamente não é sereno. A crise ecológica-econômica-social agravada pela recente pandemia; as guerras, especialmente a da Ucrânia, que semeiam morte, destruição e pobreza; a cultura da indiferença e do descarte tende a sufocar as aspirações de paz e solidariedade e a marginalizar Deus da vida pessoal e social... Esses fenômenos contribuem para gerar um clima pesado, que impede tantas pessoas de viver com alegria e serenidade.


Precisamos, portanto, que nossa oração se eleve com maior insistência ao Pai, para que possa ouvir a voz daqueles que se dirigem a Ele na confiança de serem atendidos. Este ano dedicado à oração em nada diminui as iniciativas que cada Igreja particular sente que deve planejar para seu compromisso pastoral diário. Pelo contrário, ele recorda o fundamento sobre o qual os vários planos pastorais devem se desenvolver e encontrar consistência. É um tempo em que, tanto pessoal como comunitariamente, se pode redescobrir a alegria de rezar na variedade de formas e expressões. Um tempo significativo para aumentar a certeza de nossa fé e confiança na intercessão da Virgem Maria e dos santos. Em suma, um ano para fazer a experiência quase de uma "escola de oração", sem tomar nada como certo ou óbvio, sobretudo no que diz respeito à nossa maneira de orar, mas fazendo nossas, todos os dias, as palavras dos discípulos quando pediram a Jesus: "Senhor, ensina-nos a orar" (Lucas 11,1).


Neste ano, somos convidados a nos tornarmos mais humildes e a abrir espaço para a oração que brota do Espírito Santo. É Ele quem sabe como colocar as palavras certas em nosso coração e em nossos lábios para serem ouvidas pelo Pai. A oração no Espírito Santo é o que nos une a Jesus e nos permite aderir à vontade do Pai. O Espírito é o Mestre interior que nos mostra o caminho a ser percorrido; graças a Ele, a oração de uma única pessoa pode se tornar a oração de toda a Igreja e vice-versa. Nada como a oração segundo o Espírito Santo para fazer com que os cristãos se sintam unidos como uma família de Deus, que sabe reconhecer as necessidades de cada um para fazer com que elas se tornem a invocação e a intercessão de todos. Estou certo de que os bispos, sacerdotes, diáconos e catequistas encontrarão neste ano as formas mais adequadas para colocar a oração na base do anúncio de esperança que o Jubileu de 2025 pretende fazer ressoar neste tempo conturbado. A contribuição das pessoas consagradas, em particular das comunidades de vida contemplativa, será muito preciosa nesse sentido.


Espero que em todos os santuários do mundo, lugares privilegiados de oração, aumentem as iniciativas para que cada peregrino encontre um oásis de serenidade e parta novamente com o coração cheio de consolação. Que a oração pessoal e comunitária se torne incessante, sem interrupção, de acordo com a vontade do Senhor Jesus (cf. Lucas 18,1), para que o Reino de Deus se estenda e o Evangelho chegue a todas as pessoas que pedem amor e perdão. Para facilitar este Ano da Oração, foram produzidos alguns textos curtos que, na simplicidade de sua linguagem, ajudarão a entrar nas várias dimensões da oração. Agradeço aos Autores por sua contribuição e coloco com prazer essas "Notas" em suas mãos, para que cada um possa redescobrir a beleza de confiar-se ao Senhor com humildade e alegria. E não se esqueçam de rezar por mim também.



Vatican News.

2 visualizações0 comentário
bottom of page