top of page

O Papa: não à guerra, aos desígnios de conquista e à agressão militar

Francisco fala on-line na Clinton Global Initiative (Nova York, 18 e 19 de setembro) sobre os desafios urgentes de nosso tempo. Apela para a responsabilidade de todos no combate ao egoísmo e ao narcisismo: "É hora de voltar ao diálogo, à diplomacia". Fala da missão do Hospital pediátrico Bambino Gesù, um sinal de integração da ciência e da hospitalidade. E, com relação à mudança climática, pede ação "antes que seja tarde demais".


O Papa Francisco em conexão on-line com a Clinton Global Initiative em andamento em Nova York (Vatican Media)


Mais um "não" à guerra e um apelo para que nos comprometamos a enfrentar as mudanças climáticas antes que seja tarde demais. Foi o que disse o Papa Francisco em seu discurso esta segunda-feira, 18 de setembro, no contexto da Clinton Global Initiative, que organizou um evento de dois dias (segunda e terça-feira) em Nova York para identificar e compartilhar maneiras de implementar uma genuína conversão de estilos de vida, a fim de avançar juntos, apesar das questões críticas que afetam as nações, em pequenos passos. A projeção de um vídeo com imagens do Papa durante suas viagens internacionais e em momentos significativos, especialmente em contato com os pequenos e os doentes, precedeu o discurso do Pontífice, proferido on-line em espanhol.


É necessária uma grande e comum assunção de responsabilidade


Diante dos muitos desafios atuais listados pelo ex-presidente Clinton, desde as mudanças climáticas até as crises humanitárias que afetam os migrantes e refugiados e o cuidado com as crianças, o Papa reiterou que "somente juntos poderemos curar o mundo do anonimato que é a globalização da indiferença". Em particular, ele se concentrou no que mais uma vez chama de terceira guerra mundial em pedaços, que exige "uma grande e comum assunção de responsabilidade".

Nenhum desafio, nenhum desafio é grande demais se o enfrentarmos a partir da conversão pessoal de cada um de nós, da contribuição pessoal que cada um de nós pode fazer para superá-lo e da consciência do que nos torna parte do mesmo destino. Nenhum desafio pode ser enfrentado sozinho. Não sozinho. Somente juntos. Irmãs e irmãos, filhos de Deus. É por isso que sempre incentivo todas as mulheres e homens de boa vontade, e gostaria de fazê-lo aqui também, a não desistirem diante das dificuldades.


É melhor a unidade do que o conflito, cessem as armas


Francisco argumentou que as dificuldades podem trazer à tona o melhor ou o pior de nós. É aí que reside o desafio. "Combater o egoísmo, o narcisismo e a divisão com generosidade".

É hora de encontrar a mudança da paz, a mudança da fraternidade. É hora de parar com as armas. É hora de voltar ao diálogo, à diplomacia. É hora de acabar com os desígnios de conquista e de agressão militar. É por isso que repito: não à guerra. Não à guerra.


Vamos parar, enquanto ainda há tempo


Em seguida, Francisco abordou a questão da "catástrofe ecológica", na qual a iniciativa estadunidense do fundador da CGI, Bill Clinton, dá grande ênfase. "É hora de trabalharmos juntos" para detê-la, enfatizou o Pontífice, e mais de uma vez ele repetiu: "antes que seja tarde demais". Lembrando sua Encíclica Laudato Si', implorou:

Vamos parar enquanto há tempo, por favor.

E repetiu isso, expressando toda a sua preocupação, novamente no final da participação on-line, quando Clinton o convidou a encerrar sua contribuição com um apelo final a toda a humanidade: "vamos agir antes que seja tarde demais".


É hora de pensar nos mais jovens


As emergências de migração, tão próximas do coração do Papa, foram a outra questão destacada. O Papa lembrou:


Não estamos falando de números, mas de pessoas, homens, mulheres e crianças. Quando falamos de migração, pensamos nos olhos das crianças que encontramos nos campos de refugiados. É hora de pensar nos mais jovens, nas crianças, em sua educação, em seus cuidados.


O hospital Bambino Gesù, uma combinação de ciência e hospitalidade


Francisco mencionou a missão e os projetos do Bambino Gesù, "o hospital do Papa", que, nesses meses de guerra, tratou mais de dois mil pequenos pacientes ucranianos que fugiram de seu país com seus pais e parentes. O Papa recomendou que a saúde seja acessível a todos, porque "não há crianças incuráveis". E enfatizou a especificidade que caracteriza o trabalho dessa instituição de renome mundial:

Ela quer ser um sinal. Um testemunho de como é possível (em meio a tanto esforço) combinar a grande pesquisa científica, voltada para a cura de crianças, e a hospitalidade gratuita para os necessitados. Ciência e hospitalidade: raramente essas duas coisas se encontram em um determinado nível.


Clinton: podemos melhorar a cada dia


A convenção da Clinton Global Initiative conta com a participação de personalidades de renome internacional, de especialistas a jornalistas, ativistas e doadores. Todos trazem testemunhos e práticas recomendadas para aumentar a conscientização em torno do tema abrangente proposto: "Como podemos seguir em frente, apesar das dificuldades que enfrentamos, para construir um futuro mais forte para todos?" Clinton lembrou que todos os dias somos chamados a fazer escolhas pequenas e simples. Ele também fez um apelo para que todos assumam a responsabilidade de tentar fazer a diferença. "Podemos melhorar todos os dias", disse. A inclusão é melhor do que a divisão, observou ele.



Vatican News

3 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page