top of page

Obras do Pró-transporte na avenida das Fronteiras seguem sem prazo


Moradores e motoristas reclamam da quantidade de buracos na avenida das Fronteiras. Reestruturação não tem data - Foto: Adriano Abreu


Pista desnivelada, com buracos, acúmulo de água servida e sem sinalização horizontal. Essas são características de uma das principais vias da zona Norte de Natal, a avenida das Fronteiras. A reclamação de moradores e motoristas é antiga e, até o momento, sem expectativas de que tenha uma solução definitiva. A possível reestruturação dessa avenida está inserida na última etapa do Programa de Infraestrutura de Transporte e da Mobilidade Urbana – Pró-Transporte, que ainda não tem data para ser executada.

O morador Neilson Souza, 36 anos, mora próximo e passa todos os dias pela via em um dos trechos mais críticos, no cruzamento com a rua Ponte Nova, na altura do bairro Nossa Senhora da Apresentação, em frente à sede do Conselho Comunitário Vale Dourado. “Esse problema é muito antigo. Esses buracos no cruzamento enchem de lama e, além da dificuldade de transitar, essa sujeira atrai insetos e doenças. Quando chove, alaga a rua toda. Nenhum morador consegue atravessar para o outro lado”, relata.

Fazendo a divisa entre os bairros Potengi, Nossa Senhora da Apresentação e Igapó, a via recebe o nome de “Fronteiras” e é uma avenida de mão dupla, o que exige maior atenção dos que por ela transitam. A moradora Maria Mércia, 57 anos, reside em frente a outro ponto caótico, nas proximidades do semáforo com a avenida Paulista. “Quando chove, é terrível porque a água empoça, esconde os buracos e, com o movimento dos carros, fica a maior sujeira”, contou.

Nesse trecho os buracos se estendem de um lado a outro. Ela diz que a população já tentou resolver o problema por conta própria. “Os moradores já tentaram tapar com areia, mas não dá certo. O risco de acidente aqui é grande. Já ocorreram vários nesse ponto, principalmente com motos. A situação sempre foi essa e nunca melhorou. É do começo ao fim da rua. Sempre reclamamos, chamamos a imprensa, mas nunca resolvem”, pontua Maria Mércia.

Nas proximidades de uma agência bancária, há mais buracos e o desnivelamento da pista, juntamente com a falta de sinalização para as lombadas, aumentam os riscos. “Isso aqui faz anos que ocorre e nunca mudaram. Os buracos permanecem e os acidentes são freqüentes porque a rua é estreita e de mão dupla, muitas vezes os motoristas têm que invadir a contramão para desviar”, comenta o morador Edivan Felix, 50.

A avenida é de responsabilidade do governo do Estado, logo, sua manutenção é feita pelo Departamento Estadual de Estradas e Rodagens (DER/RN). Em maio do ano passado, chegou a ser interditada nos dois sentidos depois que um carro foi engolido por um buraco que se formou a partir do vazamento em uma tubulação de água, o que afetou o abastecimento da Zona Norte na ocasião.

As obras do Pró-transporte devem contemplar a via, uma vez que, segundo o DER/RN, esse trecho estará incluído na etapa 3 do programa, que não tem data para ser executada. O órgão informou que ainda não é possível definir quais serviços serão executados na avenida pelo Pró-transporte, uma vez que depende dos estudos e dos projetos que ainda serão apresentados.

Desde abril passado, o Governo do Estado garantiu o repasse final dos recursos para a continuidade e conclusão da segunda etapa da Meta 2 do programa, contemplando o trecho do entroncamento da Avenida Moema Tinoco ao Viaduto da Avenida das Fronteiras e incluindo valores referentes às desapropriações na Moema Tinoco.

Essa parte da obra tem previsão para ser concluída em março de 2024 mas, segundo o DER, ainda há algumas questões burocráticas relacionadas com as desapropriações para serem resolvidas.

“A obra foi retomada de fato, com a marcação e execução da rotatória da Moema para a Tocantinea e a duplicação do restante da Moema Tinoco também faz parte dessa segunda etapa. Com relação aos buracos (da Avenida das Fronteiras), o DER tem ação permanente de tapa buracos. Para esse trecho, temos programação para os próximos 10 dias”, informou o órgão por meio de sua assessoria de imprensa.



Tribuna do Norte.

5 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page