Polícia detalha ação de policial penal que resultou em duas mortes; motivação é incógnita


Foto: Alex Régis


A Polícia Civil ainda não sabe qual foi a motivação para os dois homicídios atribuídos ao policial penal Victor Hugo Valença, que ocorreram entre no fim de semana. A investigação está a cargo da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e ainda não há a informação.


Em entrevista coletiva no início da tarde desta segunda-feira (11), a delegada Michelle Porto falou sobre o andamento da investigação e como teriam sido cometidos os crimes. Ao todo, três veículos foram tomados pelo suspeito e duas pessoas foram mortas.

De acordo com a delegada, as investigações apontam que o policial penal matou o motorista de aplicativo Marcelo Cavalcante de Medeiros na Cidade da Esperança, próximo à rodoviária, e levou o carro da vítima. Em seguida, abandonou o veículo em Cidade Satélite, na zona Sul, onde adentrou uma residência. Ele tentou ligar uma moto que estava no local e não conseguiu, quando efetuou disparos dentro da casa exigindo que o ajudassem a ligar a motocicleta. Com os disparos, ele matou João Victor Queiroz Munay Dantas e feriu a mãe dele. Em seguida, conseguiu fugir.


No bairro do Planalto, o suspeito teria abandonado a motocicleta e tomado de assalto outro carro em que estava uma família, mais uma vez fazendo ameaças. Depois, ele abandonou o carro e acionou um transporte por aplicativo. Quando o motorista o apanhou, ele anunciou que se tratava de um sequestro e seguiu para Pernambuco com o motorista dentro do veículo. Ele foi parado em uma blitz de rotina e preso em flagrante por sequestro.


Segundo a delegada Michelle Porto, não há a confirmação sobre a saúde mental do policial penal, que não respondeu às perguntas feitas pela polícia pernambucana. De acordo com ela, contudo, há informações sobre o que teria motivado pelo menos o primeiro crime, mas ainda não podem ser compartilhadas.


Até o momento, não há relatos sobre condutas que levantassem suspeitas sobre a conduta do policial penal dentro da Secretaria de Administração Penitenciária. Ele deverá ser trazido para o Rio Grande do Norte em breve. A Polícia potiguar conseguiu a expedição de mandado de prisão temporária e a tendência é que ele seja ouvido nos próximos dias pelos policiais do estado.


Nota


Em nota, a Secretaria de Administração Penitenciária se manifestou sobre o caso e disse que o policial penal deverá ser expulso dos quadros da corporação.


Veja nota:


Secretaria da Administração Penitenciária (SEAP) se solidariza com as famílias enlutadas de Marcelo Cavalcanti de Medeiros Silva e de João Victor Queiroz Munay Dantas, lamentando profundamente o ocorrido, colocando-se à disposição para apoiar no que for possível.


A SEAP informa que, desde que tomou conhecimento do fato, efetuou diligências integrando as Forças de Segurança no sentido de localizar e prender o policial penal Victor Hugo de Souto Valença.


Victor Valença foi preso neste sábado (9), em Pernambuco, autuado em flagrante, delito por sequestro, e teve também a prisão decretada pela 7ª Vara Criminal de Natal motivada pela acusação dos homicídios. A SEAP determinou a apuração imediata dos acontecimentos pela Corregedoria, resguardando a ampla defesa e ao contraditório. Ao final do processo, o referido policial deverá ser expulso da corporação.

A conduta do servidor não reflete o comportamento do efetivo de policiais penais do Rio Grande do Norte.


informações Tribuna do Norte

5 visualizações0 comentário