top of page

Revitalização da Ribeira deverá ficar pronta até o final de 2024

As obras do projeto de revitalização da Ribeira, bairro histórico de Natal, devem ser concluídas até o final do próximo ano, segundo previsão da Secretaria Municipal de Planejamento (Sempla). O pacote de serviços de requalificação, orçado em cerca de R$ 30,8 milhões, inclui reordenamento urbanístico, revitalização de becos, iluminação pública, travessas e avenidas, construção de novos espaços e incentivo ao turismo e comércio, entre outras intervenções. O projeto foi dividido em quatro etapas, chamadas de “metas” pela Prefeitura, que pretende iniciar as obras até o fim de outubro próximo.



Requalificação do bairro da Ribeira passará por quatro fases. Primeira parte será na rua Ulisses Caldas e Largo Junqueira Aires / Adriano Abreu


O planejamento inclui requalificação da Rua Ulisses Caldas e Largo Junqueira Aires até o entorno da Praça Augusto Severo (Meta 1); requalificação da Avenida do Contorno, áreas adjacentes e praças Djalma Maranhão e Walfredo Gurgel (Meta 2); requalificação da Avenida Tavares de Lira, ruas adjacentes e trechos da Avenida Duque de Caxias até a Praça Augusto Severo (Meta 3); e construção da Estação Turística e Religiosa Pedra do Rosário (Meta 4). Faz parte também do projeto de revitalização da Ribeira a mudança administrativa da prefeitura para o bairro histórico.

Inicialmente, o processo licitatório previa o valor de R$ 31,9 milhões, mas a melhor proposta apresentada foi de R$ 30,8 milhões por um consórcio. Os recursos são de origem majoritariamente federal, com uma contrapartida de R$ 2 milhões da Prefeitura. A proposição ainda precisa passar por homologação, o que deve ocorrer ainda nesta semana. “Esperamos concluir esse processo burocrático o mais rápido possível. Temos esse movimento de ocupação dos prédios, temos esse investimento em infraestrutura que está saindo do papel e dizer para a população que o poder público quer ocupar a Ribeira, quer fomentar a habitação, comércio, tudo isso”, diz Joanna Guerra, titular da Sempla.

A revitalização da Ribeira é assunto discutido há mais de uma década em Natal por diferentes gestões. A secretária Joanna Guerra destaca que o diferencial deste projeto em questão é a garantia dos recursos e o aval positivo de instituições como o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan/RN), Superintendência do Patrimônio da União (SPU/RN) e Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (Idema). A tentativa de resgate da Ribeira faz parte de um projeto de revitalização do Centro Histórico de Natal, que abrange também a Cidade Alta.“A gente conta com o apoio das instituições, com a população e com o comércio para que a Ribeira volte a ter a pujança que antes tinha”, pontua Joanna Guerra, da Secretaria de Planejamento de Natal.

Além das reformas de calçadas, ruas, becos e travessas que estão contidas no programa, há a perspectiva de outros investimentos para fortalecer culturalmente o bairro, diz Dácio Galvão, secretário de Cultura de Natal. Por enquanto, o projeto urbanístico não contempla esta fase, mas a requalificação viária pode ser um importante elemento para que o Município consiga recursos para restauração de monumentos históricos e construção de outros, diz o secretário.

“Entre eles está o monolito que homenageia Tavares de Lira, o patrimônio edificado da balaustrada do relógio do Sesc, a escultura de Augusto Severo, mas isso é em perspectiva. Entendo que essa requalificação urbanística vem beneficiar monumentos históricos fundamentais imprescindíveis para a memória e cultura da cidade”, comenta Galvão.


Ainda dentro das perspectivas de fomento à cultura, Dácio Galvão revela ainda que há um projeto para construção de um grande painel cerâmico de 400 metros na Avenida do Contorno, com uma iconografia linear para contar a história natalense. “Seria ali naquele paredão, essa proposta foi feita à Caixa, o dinheiro foi liberado, agora nós temos que entrar com a contrapartida”, afirma.

Pedra do Rosário

Das quatro metas estabelecidas pelo projeto da Prefeitura, a que inclui a reforma área da Pedra do Rosário é a que receberá mais recursos: R$ 13,6 milhões. A ideia do equipamento é explorar o potencial turístico e religioso do local. “Será um espaço, inclusive de contemplação do pôr do sol do Rio Potengi. Estamos chamando de Estação Turística e Religiosa da Pedra do Rosário, que é um espaço onde ocorre a tradicional missa da padroeira da cidade em 21 de novembro”, conta Joanna Guerra. A ideia é fazer com que a área seja ocupada durante todo o ano, complementa a secretária. O presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio-RN), Marcelo Queiroz, diz que a construção da Estação será crucial para o desenvolvimento da região. “A atual estrutura não tem o apelo que justifique a presença de visitantes, por inúmeros fatores. O novo projeto é atrativo não somente aos turistas, mas também aos devotos e a população, que desejam visitar o local, mas não o fazem por uma falta de estrutura”, analisa.



Tribuna do Norte.

2 visualizações0 comentário
bottom of page